Sinto mais do que consigo expressar.
Sempre que eu pego o papel e a caneta e vou tentando escrever sob essas linhas vazias, eu me perco. São muitas coisas que guardo no pensamento e querem sair para o papel, só que minha mente fica congestionada com tantos assuntos querendo sair ao mesmo tempo. E no final não acaba saindo nada.Já não saem mais textos, apenas curtas frases que me vêem em momentos que estou distante de mim, vagando nos meus pensamentos.E nos meus pensamentos, distante de tudo e de todos, onde ninguém consegue me alcançar, eu me sinto bem; me sinto feliz; e encontro as soluções, nesse encontro comigo mesmo.

Sempre que eu pego o papel e a caneta e vou tentando escrever sob essas linhas vazias, eu me perco. São muitas coisas que guardo no pensamento e querem sair para o papel, só que minha mente fica congestionada com tantos assuntos querendo sair ao mesmo tempo. E no final não acaba saindo nada.

Já não saem mais textos, apenas curtas frases que me vêem em momentos que estou distante de mim, vagando nos meus pensamentos.

E nos meus pensamentos, distante de tudo e de todos, onde ninguém consegue me alcançar, eu me sinto bem; me sinto feliz; e encontro as soluções, nesse encontro comigo mesmo.

Eu não acho as palavras.Eu sinto muito, mais do que consigo expressar. E isso se torna um veneno em certos momentos. Palavras ficam presas na garganta lhe matando sufocado, é triste morrer do seu próprio veneno.E em meio ao desespero da ausência de palavras saírem da minha boca eu entro em pranto, eu choro, eu grito, eu fico sem saber o que fazer, mas me sinto melhor depois disso, embora não passe completamente.Eu busco, busco uma forma de esvaziar emoções, situações, sentimentos, entre outros, mas elas (as palavras) continuam a fugir de mim. Talvez eu não tenha sido feito para explicar nada mesmo, apenas para sentir.E sem perceber acabei falando o que anda me incomodado: Eu não acho as palavras, ou talvez eu já as tivesse e sem perceber, usei nos momentos errados, com as pessoas erradas.Eu sinto muito.

Eu não acho as palavras.

Eu sinto muito, mais do que consigo expressar. E isso se torna um veneno em certos momentos. Palavras ficam presas na garganta lhe matando sufocado, é triste morrer do seu próprio veneno.

E em meio ao desespero da ausência de palavras saírem da minha boca eu entro em pranto, eu choro, eu grito, eu fico sem saber o que fazer, mas me sinto melhor depois disso, embora não passe completamente.

Eu busco, busco uma forma de esvaziar emoções, situações, sentimentos, entre outros, mas elas (as palavras) continuam a fugir de mim. Talvez eu não tenha sido feito para explicar nada mesmo, apenas para sentir.

E sem perceber acabei falando o que anda me incomodado: Eu não acho as palavras, ou talvez eu já as tivesse e sem perceber, usei nos momentos errados, com as pessoas erradas.

Eu sinto muito.

Hoje acordei cansado.

Um belo dia você acorda e percebe que já deu valor demais ao que realmente não importa e nem faz falta na sua vida. Durante muito tempo eu fiz isso, dei valor a situações e a pessoas que não valem 1/3 do sofrimento que me causaram. Hoje eu acordei pra mudar, apesar de minhas mudanças serem normalmente um completo paradoxo, dessa vez eu irei cumprir.
Você cansa de inventar estórias na sua cabeça, que as pessoas e suas atitudes irão mudar, que você vai conseguir tudo que quer, que a vida vai mudar. Você decide olhar o que realmente está à sua frente e não é uma coisa muito bonita, pois a vida só é bonita quando se olha rapidamente para as coisas, se você prestar atenção, nem toda beleza é o que realmente é, entende? 
Você cansa de inventar amores que nunca vão acontecer, que nunca vão chegar. Cansa de fingir e inventar sentimentos que não existem.
Você passa a não estar mais nem aí pra o que falam da sua vida por aí, afinal enquanto perdem tempo falando da minha vida, eu vou vivendo a minha. Vocês também podem tentar destruir meus sonhos, mas a vida também tratará de destruir os seus, a vida é justa sim, ela dá a cada um o que cada um merece, nem que seja no seu último dia de vida. 
Pois é, hoje acordei cansado. Cansado de tentar se algo que nunca deu certo, a fim de me reinventar da forma que eu achar melhor, pra não morrer em vida, pois não existe algo mais triste que a morte em vida. 
Daqui pra frente prometo ser mais eu, prometo não tentar agradar mais ninguém, prometo não inventar mais estórias pra mim mesmo, prometo ser outro sem deixar de ser o que sempre fui. 
Promessas foram feitas para serem quebradas, mas essas foram feitas e lacradas. Henrique morreu hoje ao acordar, nasceu outro em seu lugar.
_

“Sempre admirava os pássaros e tinha inveja da capacidade que eles tinham de voar. Até que um dia descobriu que também tinha um par de asas, só que dentro dele, abriu e voou e nunca mais voltou.”

06/12/10

Hoje acordei cansado.

Um belo dia você acorda e percebe que já deu valor demais ao que realmente não importa e nem faz falta na sua vida. Durante muito tempo eu fiz isso, dei valor a situações e a pessoas que não valem 1/3 do sofrimento que me causaram. Hoje eu acordei pra mudar, apesar de minhas mudanças serem normalmente um completo paradoxo, dessa vez eu irei cumprir.

Você cansa de inventar estórias na sua cabeça, que as pessoas e suas atitudes irão mudar, que você vai conseguir tudo que quer, que a vida vai mudar. Você decide olhar o que realmente está à sua frente e não é uma coisa muito bonita, pois a vida só é bonita quando se olha rapidamente para as coisas, se você prestar atenção, nem toda beleza é o que realmente é, entende? 

Você cansa de inventar amores que nunca vão acontecer, que nunca vão chegar. Cansa de fingir e inventar sentimentos que não existem.

Você passa a não estar mais nem aí pra o que falam da sua vida por aí, afinal enquanto perdem tempo falando da minha vida, eu vou vivendo a minha. Vocês também podem tentar destruir meus sonhos, mas a vida também tratará de destruir os seus, a vida é justa sim, ela dá a cada um o que cada um merece, nem que seja no seu último dia de vida. 

Pois é, hoje acordei cansado. Cansado de tentar se algo que nunca deu certo, a fim de me reinventar da forma que eu achar melhor, pra não morrer em vida, pois não existe algo mais triste que a morte em vida. 

Daqui pra frente prometo ser mais eu, prometo não tentar agradar mais ninguém, prometo não inventar mais estórias pra mim mesmo, prometo ser outro sem deixar de ser o que sempre fui. 

Promessas foram feitas para serem quebradas, mas essas foram feitas e lacradas. Henrique morreu hoje ao acordar, nasceu outro em seu lugar.

_

“Sempre admirava os pássaros e tinha inveja da capacidade que eles tinham de voar. Até que um dia descobriu que também tinha um par de asas, só que dentro dele, abriu e voou e nunca mais voltou.”

06/12/10

Eu sou um monte de palavras e sentimentos despejados ao vento.Meus sentimentos são maiores do que eu. Sou intenso demais pra ser entendido por qualquer um, chego a pensar que vou morrer sem ser compreendido, mas ainda tenho esperança que isso mude. Gostaria muito que alguém estendesse meus sentimentos, pois às vezes fico necessitado disso e fico mal por ser assim, tão inexpressivo, tão inexplicável, tão sem solução. Eu me odeio, eu me odeio. Eu não escolhi ser assim, na verdade eu nunca escolhi nada. Dizem que a vida é feita de escolhas, mas não é. Se fosse você já começaria escolher se quer viver ou não, se quer sofrer ou não e isso não é possível, mas se tudo fosse só um “vai ser assim” e fosse desse jeito, qual seria o valor de fazer a escolha certa? Ok, um enigma.Eu gostaria muito de falar tudo que sinto, mas parece que quando eu quero falar, vem coisas demais e ficam presas na garganta, fico engasgado nas minhas próprias palavras, morrendo do meu próprio veneno. Chego a pensar que eu não nasci pra viver, apenas pra sentir, eu sinto muito demais, eu sinto tudo DEMAIS. E dói. Tenho amor demais pra dar, tenho felicidade demais dentro de mim pra compartilhar, tenho tudo, mas sinto que não tenho com quem compartilhar, sente só o drama, meus amores são uma bagunça, ou talvez eu seja a bagunça.Eu sinto um vazio por esperar por alguém que talvez nunca vá chegar, alguém que faça eu me entender melhor, pois minhas coisas nem eu mesmo ando entendendo.
Tantos mistérios têm essa vida né? A vida me fascina exatamente por ser cheia de mistérios.
O problema é que às vezes as palavras que ficaram presas na garganta descem de uma vez para o estômago…

Eu sou um monte de palavras e sentimentos despejados ao vento.


Meus sentimentos são maiores do que eu. Sou intenso demais pra ser entendido por qualquer um, chego a pensar que vou morrer sem ser compreendido, mas ainda tenho esperança que isso mude. Gostaria muito que alguém estendesse meus sentimentos, pois às vezes fico necessitado disso e fico mal por ser assim, tão inexpressivo, tão inexplicável, tão sem solução.

Eu me odeio, eu me odeio. Eu não escolhi ser assim, na verdade eu nunca escolhi nada. Dizem que a vida é feita de escolhas, mas não é. Se fosse você já começaria escolher se quer viver ou não, se quer sofrer ou não e isso não é possível, mas se tudo fosse só um “vai ser assim” e fosse desse jeito, qual seria o valor de fazer a escolha certa? Ok, um enigma.

Eu gostaria muito de falar tudo que sinto, mas parece que quando eu quero falar, vem coisas demais e ficam presas na garganta, fico engasgado nas minhas próprias palavras, morrendo do meu próprio veneno. Chego a pensar que eu não nasci pra viver, apenas pra sentir, eu sinto muito demais, eu sinto tudo DEMAIS. E dói. Tenho amor demais pra dar, tenho felicidade demais dentro de mim pra compartilhar, tenho tudo, mas sinto que não tenho com quem compartilhar, sente só o drama, meus amores são uma bagunça, ou talvez eu seja a bagunça.

Eu sinto um vazio por esperar por alguém que talvez nunca vá chegar, alguém que faça eu me entender melhor, pois minhas coisas nem eu mesmo ando entendendo.

Tantos mistérios têm essa vida né? A vida me fascina exatamente por ser cheia de mistérios.

O problema é que às vezes as palavras que ficaram presas na garganta descem de uma vez para o estômago…

Leve desabado.

Vejo as pessoas falando tanto de amor e acho engraçado, outras vezes ridículo.
 Engraçado porque as pessoas acham que amor puro e verdadeiro se encontra em qualquer pessoa, e juram que é o amor da sua vida, que vão ser felizes para sempre e blá blá blá, dias depois quebram a cara e jogam ao vento coisas do tipo: Nem era o amor da minha vida mesmo. Nossa, que contradição, as pessoas e seus amores são uma comédia mesmo. 
Eu acho ridículo mesmo uma pessoa falando quem amor entre Homem x Homem |Mulher x Mulher não existe, cara se sua bíblia/religião ou seus princípios pensam assim é problema teu, porque esse tipo de amor existe sim e tantas vezes é mais bonito e sincero que o seu relacionamento frustrado. 
Minha opinião é a seguinte: As pessoas têm um conceito de amor que eu não consigo entender. Sério, não consigo mesmo. Que amor é esse que faz você sofrer, chorar, passar noites em claro, e até cometer suicídio? Eu respondo: Não é amor. Amor quando é amor, lhe faz bem, faz você sorrir sem motivo algum e você não vai se importar se é homem ou mulher, afinal é gente, gente de verdade, gente que sabe fazer outra feliz.
Agora se você acha que meu ponto de vista é sem sentido, então vá cuidar disso ai que você chama de vida e deixe os outros serem felizes em paz, já que você não consegue.  
Passar bem, ou não.

Leve desabado.


Vejo as pessoas falando tanto de amor e acho engraçado, outras vezes ridículo.

 Engraçado porque as pessoas acham que amor puro e verdadeiro se encontra em qualquer pessoa, e juram que é o amor da sua vida, que vão ser felizes para sempre e blá blá blá, dias depois quebram a cara e jogam ao vento coisas do tipo: Nem era o amor da minha vida mesmo. Nossa, que contradição, as pessoas e seus amores são uma comédia mesmo. 

Eu acho ridículo mesmo uma pessoa falando quem amor entre Homem x Homem |Mulher x Mulher não existe, cara se sua bíblia/religião ou seus princípios pensam assim é problema teu, porque esse tipo de amor existe sim e tantas vezes é mais bonito e sincero que o seu relacionamento frustrado. 

Minha opinião é a seguinte: As pessoas têm um conceito de amor que eu não consigo entender. Sério, não consigo mesmo. Que amor é esse que faz você sofrer, chorar, passar noites em claro, e até cometer suicídio? Eu respondo: Não é amor. Amor quando é amor, lhe faz bem, faz você sorrir sem motivo algum e você não vai se importar se é homem ou mulher, afinal é gente, gente de verdade, gente que sabe fazer outra feliz.

Agora se você acha que meu ponto de vista é sem sentido, então vá cuidar disso ai que você chama de vida e deixe os outros serem felizes em paz, já que você não consegue.  

Passar bem, ou não.

                                                 Incógnita
Sou chato, são poucos que sabem lidar comigo, não sei explicar o que eu sinto, muito menos quem sou. Mas tenha certeza de uma coisa, eu sou uma pessoa de coração enorme, sincero e quase puro (quase porque ninguém é 100% bom em nada). Às vezes também deixo meus lados sombrios tomar conta de mim um pouco, e tenho medo, porque eu fico imaginando/desejando as pessoas sofrendo, mas se eu tentar é pior, tudo que você tenta esconder uma hora sai pra fora, então deixa o meu lado ruim sair assim, aos poucos, vai ficar tudo bem. 
Eu tenho um mundo imaginário só meu, que não divido com ninguém, nem muito menos comento com ninguém, mas hoje quero falar sobre ele: Passo a maior tempo do dia na minha cabeça, voando pra distante da realidade, imaginando situações toscas que talvez ninguém entenderia. Imagino finais, começos, imagino amores que nunca vão existir e situações também, talvez por isso eu me ferre um pouco, esqueço que nem tudo é como imagino na minha cabeça, por isso uma decepção atrás da outra. 
Vou confessar aqui, hoje, A-G-O-R-A. EU SOU NECESSITADO DE ATENÇÃO, sou. Eu adoro conversar e odeio quando não me escutam, ou quando são monossilábicos, cara eu me seguro pra não dar uns tapas ou mandar tomar no cu, e fecho a cara mesmo. Ah vá. 
Quando alguém me decepciona, ou faz algo comigo sem que eu entenda, eu espero ela vim dar satisfações, caso contrário não corro atrás de saber o que aconteceu, tenho vontade, mas tenho um orgulho imenso e idiota que não me deixa fazer isso. E constantemente eu sinto que as pessoas não sabem dar valor a pessoa que eu sou, e isso me incomoda bastante, acho essas pessoas um bando de ridículos, pois eu sou do tipo de pessoa que não se encontra em qualquer lugar. Eu me acho? Não, mal sabe você o quanto eu me perco. E o que estou falando é apenas a verdade, um fato consumado. 
Tenho inveja dos pássaros por poderem voar, minha vontade às vezes é de ter assas e voar pra bem longe, tem dias que tudo que eu quero é sumir sem saber nem pra onde mesmo vou. Ah como eu queria ser um pássaro. Mas sou humano. Tenho que conviver com essas outras criaturas, tão iguais e tão diferentes de mim. 
As fico muito (muitíssimo) feliz quando alguém sabe dar valor ao que sinto e ao que sou, como uma vez minha amiga Letícia falou pra mim: “Não te troco por nenhum desses meninos que se acham os tais, só porque são malhados, tem um carro ou uma moto e afins. Porque tu tem uma coisa que muitos deles não tem, conteúdo. Enfim… Tu pra mim é aquela pessoa que me entende, que às vezes eu tenho vontade de dá um tiro por conta de tuas raivas que tu descarrega em quem não tem nada haver, acho que resumidamente tu é um amigo, mas não essas amizades tipo miojo, mas aquelas que duram pakas, que você pode contar e afins.”
Eu sou assim, inconstante, você nunca sabe o que eu posso fazer. Eu sou um monte de perguntas que muitas vezes nem eu mesmo consigo responder. (:

                                                 Incógnita

Sou chato, são poucos que sabem lidar comigo, não sei explicar o que eu sinto, muito menos quem sou. Mas tenha certeza de uma coisa, eu sou uma pessoa de coração enorme, sincero e quase puro (quase porque ninguém é 100% bom em nada). Às vezes também deixo meus lados sombrios tomar conta de mim um pouco, e tenho medo, porque eu fico imaginando/desejando as pessoas sofrendo, mas se eu tentar é pior, tudo que você tenta esconder uma hora sai pra fora, então deixa o meu lado ruim sair assim, aos poucos, vai ficar tudo bem. 

Eu tenho um mundo imaginário só meu, que não divido com ninguém, nem muito menos comento com ninguém, mas hoje quero falar sobre ele: Passo a maior tempo do dia na minha cabeça, voando pra distante da realidade, imaginando situações toscas que talvez ninguém entenderia. Imagino finais, começos, imagino amores que nunca vão existir e situações também, talvez por isso eu me ferre um pouco, esqueço que nem tudo é como imagino na minha cabeça, por isso uma decepção atrás da outra. 

Vou confessar aqui, hoje, A-G-O-R-A. EU SOU NECESSITADO DE ATENÇÃO, sou. Eu adoro conversar e odeio quando não me escutam, ou quando são monossilábicos, cara eu me seguro pra não dar uns tapas ou mandar tomar no cu, e fecho a cara mesmo. Ah vá. 

Quando alguém me decepciona, ou faz algo comigo sem que eu entenda, eu espero ela vim dar satisfações, caso contrário não corro atrás de saber o que aconteceu, tenho vontade, mas tenho um orgulho imenso e idiota que não me deixa fazer isso. E constantemente eu sinto que as pessoas não sabem dar valor a pessoa que eu sou, e isso me incomoda bastante, acho essas pessoas um bando de ridículos, pois eu sou do tipo de pessoa que não se encontra em qualquer lugar. Eu me acho? Não, mal sabe você o quanto eu me perco. E o que estou falando é apenas a verdade, um fato consumado. 

Tenho inveja dos pássaros por poderem voar, minha vontade às vezes é de ter assas e voar pra bem longe, tem dias que tudo que eu quero é sumir sem saber nem pra onde mesmo vou. Ah como eu queria ser um pássaro. Mas sou humano. Tenho que conviver com essas outras criaturas, tão iguais e tão diferentes de mim. 

As fico muito (muitíssimo) feliz quando alguém sabe dar valor ao que sinto e ao que sou, como uma vez minha amiga Letícia falou pra mim: “Não te troco por nenhum desses meninos que se acham os tais, só porque são malhados, tem um carro ou uma moto e afins. Porque tu tem uma coisa que muitos deles não tem, conteúdo. Enfim… Tu pra mim é aquela pessoa que me entende, que às vezes eu tenho vontade de dá um tiro por conta de tuas raivas que tu descarrega em quem não tem nada haver, acho que resumidamente tu é um amigo, mas não essas amizades tipo miojo, mas aquelas que duram pakas, que você pode contar e afins.”

Eu sou assim, inconstante, você nunca sabe o que eu posso fazer. Eu sou um monte de perguntas que muitas vezes nem eu mesmo consigo responder. (:

Eu sou apenas um, mas dentro de mim existem vários de mim, que não deixam de ser eu.  
Pra começar eu não me considero uma pessoa, eu sou sentimentos. Sentimentos bons e ruins com quais nem todos sabem lidar, e a culpa não é minha, mas de toda forma sempre sobra pra mim. Desculpa aí, mas eu gosto de deixar as coisas claras, ser sincero o máximo possível, mesmo que isso faça com que eu perca as pessoas ao redor. Tudo bem se você quer amiguinhos que fingem e falam mentiras pra te agradar, lhe desejo boa sorte, porque eu não tenho saco e muito menos tempo pra isso.
Meu humor varia mais que tudo que você possa imaginar, tem horas que não tenho paciência pra ninguém, nem pra eu mesmo. Quando eu tiver de cara fechada, faça um favor: NÃO-CHEGUE-NEM-PERTO-DE-MIM, é o melhor pra você. Eu tenho limites e se você não compreender isso você vai ouvir o que quer e o que não quer.
Também sou um amor de pessoa, gosto de falar pra quem eu gosto: eu te amo, e não é aquele eu te amo vazio, é de verdade mesmo, se você me ouvir falando isso pra você é porque eu acho que você realmente merece.
O que eu não gosto mesmo é ouvir gente que nem/mal me conhece falando que sou isso e aquilo. Gente desse tipo eu passo longe, e nem dou ousadia. Um pouco de desprezo pra eles, economiza muito ódio e tempo.
Eu sou varias coisas, sou música, sou risos, sou choro, sou poesia, sou o vento que passa, sou o simples, sou o complexo, sou um pouco de cada pessoa que passa em minha vida, mas ninguém parece entender. Eu tenho medo de mim por ser assim, mas tenho orgulho ao mesmo tempo, porque nos dias de hoje é raro você encontrar alguém que olhe na sua cara e fale: CARA-EU-NÃO-GOSTO-DE-VOCÊ e fale tudo que lhe vier na cabeça sem medo das conseqüências que podem surgir depois. Esse sou eu, sentimentos puros, sincero ao extremo e chato, muito chato. Mas se você não quiser me agüentar, você não é obrigado, pois em todas as esquinas você pode encontrar pessoas para me substituir. Alguém que não seja tão sincero e verdadeiro como eu sou com você, alguém que daqui a alguns dias vai te decepcionar. 
Sou chato, mas olhe-se no espelho, você também é.
E aí sinceridade e raiva na hora ou decepção depois? Livre arbítrio pra você baby.

Eu sou apenas um, mas dentro de mim existem vários de mim, que não deixam de ser eu.  

Pra começar eu não me considero uma pessoa, eu sou sentimentos. Sentimentos bons e ruins com quais nem todos sabem lidar, e a culpa não é minha, mas de toda forma sempre sobra pra mim. Desculpa aí, mas eu gosto de deixar as coisas claras, ser sincero o máximo possível, mesmo que isso faça com que eu perca as pessoas ao redor. Tudo bem se você quer amiguinhos que fingem e falam mentiras pra te agradar, lhe desejo boa sorte, porque eu não tenho saco e muito menos tempo pra isso.

Meu humor varia mais que tudo que você possa imaginar, tem horas que não tenho paciência pra ninguém, nem pra eu mesmo. Quando eu tiver de cara fechada, faça um favor: NÃO-CHEGUE-NEM-PERTO-DE-MIM, é o melhor pra você. Eu tenho limites e se você não compreender isso você vai ouvir o que quer e o que não quer.

Também sou um amor de pessoa, gosto de falar pra quem eu gosto: eu te amo, e não é aquele eu te amo vazio, é de verdade mesmo, se você me ouvir falando isso pra você é porque eu acho que você realmente merece.

O que eu não gosto mesmo é ouvir gente que nem/mal me conhece falando que sou isso e aquilo. Gente desse tipo eu passo longe, e nem dou ousadia. Um pouco de desprezo pra eles, economiza muito ódio e tempo.

Eu sou varias coisas, sou música, sou risos, sou choro, sou poesia, sou o vento que passa, sou o simples, sou o complexo, sou um pouco de cada pessoa que passa em minha vida, mas ninguém parece entender. Eu tenho medo de mim por ser assim, mas tenho orgulho ao mesmo tempo, porque nos dias de hoje é raro você encontrar alguém que olhe na sua cara e fale: CARA-EU-NÃO-GOSTO-DE-VOCÊ e fale tudo que lhe vier na cabeça sem medo das conseqüências que podem surgir depois. Esse sou eu, sentimentos puros, sincero ao extremo e chato, muito chato. Mas se você não quiser me agüentar, você não é obrigado, pois em todas as esquinas você pode encontrar pessoas para me substituir. Alguém que não seja tão sincero e verdadeiro como eu sou com você, alguém que daqui a alguns dias vai te decepcionar. 

Sou chato, mas olhe-se no espelho, você também é.

E aí sinceridade e raiva na hora ou decepção depois? Livre arbítrio pra você baby.

                                             Medo.

Quase anoitecendo e eu aqui em meio ao silêncio, pensando em um amontoado de coisas que variam conforme os minutos passam. Geralmente eu começo a me perder nos pensamentos lembrando como as coisas mudam de boas pra ruins, de ruins pra boas, e eu fico realmente impressionado como a vida da suas voltas, geralmente colocando cada coisa em seu devido lugar, e a gente nem presta atenção e depois acha que aconteceu tudo de uma hora pra outra. A vida é algo realmente impressionante e bela, e outras tantas assustadora. O importante mesmo é não ter medo de viver.Ta aí a coisa que eu mais tenho: Medo. Normal, todos nós temos medo, seja de viver, seja de adoecer, seja de morrer. Quando não se tem medo, não se tem superação. Só não se deixe dominar por eles, senão você é atropelado pelos mesmos.  Tenho medo de pensar, mas é inevitável. Sim, tenho medo sim. Por quê? Simples de responder: Eu começo a pensar e daqui a pouco eu estou igual a um balão, voando e sem direção e começo a lembrar de certas coisas e sentir nostalgia, tristeza, desespero, mas outras vezes sinto o revés dessas emoções, é quando vale à pena. Eu tenho medo do amor, ele que vezes ou outra consegue acabar com a vida de alguém, mas estamos aí, pra quebrar a cara e levantar outra vez.Tenho medo do comum, tenho medo de você, tenho medo de mim, tenho medo do tempo, tenho medo de adoecer, tenho medo de morrer, tenho medo acreditar em alguém, tenho medo de machucar alguém, tenho medo de não está fazendo a coisa certa… Medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, são medos que não acabam mais. Agora por que ter medo do medo? Ele nada mais é que uma barreira em sua frente pra tentar parar você. Vamos lá, vamos derrubar essas paredes, não foi o que você fez até agora? Não parar na frente dela é o que importa. Faça seus medos virarem superação, você crescer, mas seu lado espiritual muito mais.Ok mente, tirarei isso da teoria e tentarei colocar na prática, agora vou descansar um pouco de pensar, afinal a vida continua, e os medos querendo ou não, também. 

                                             Medo.

Quase anoitecendo e eu aqui em meio ao silêncio, pensando em um amontoado de coisas que variam conforme os minutos passam. Geralmente eu começo a me perder nos pensamentos lembrando como as coisas mudam de boas pra ruins, de ruins pra boas, e eu fico realmente impressionado como a vida da suas voltas, geralmente colocando cada coisa em seu devido lugar, e a gente nem presta atenção e depois acha que aconteceu tudo de uma hora pra outra. A vida é algo realmente impressionante e bela, e outras tantas assustadora. O importante mesmo é não ter medo de viver.

Ta aí a coisa que eu mais tenho: Medo. Normal, todos nós temos medo, seja de viver, seja de adoecer, seja de morrer. Quando não se tem medo, não se tem superação. Só não se deixe dominar por eles, senão você é atropelado pelos mesmos. 

Tenho medo de pensar, mas é inevitável. Sim, tenho medo sim. Por quê? Simples de responder: Eu começo a pensar e daqui a pouco eu estou igual a um balão, voando e sem direção e começo a lembrar de certas coisas e sentir nostalgia, tristeza, desespero, mas outras vezes sinto o revés dessas emoções, é quando vale à pena.

Eu tenho medo do amor, ele que vezes ou outra consegue acabar com a vida de alguém, mas estamos aí, pra quebrar a cara e levantar outra vez.

Tenho medo do comum, tenho medo de você, tenho medo de mim, tenho medo do tempo, tenho medo de adoecer, tenho medo de morrer, tenho medo acreditar em alguém, tenho medo de machucar alguém, tenho medo de não está fazendo a coisa certa… Medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, medo, são medos que não acabam mais.

Agora por que ter medo do medo? Ele nada mais é que uma barreira em sua frente pra tentar parar você. Vamos lá, vamos derrubar essas paredes, não foi o que você fez até agora? Não parar na frente dela é o que importa. Faça seus medos virarem superação, você crescer, mas seu lado espiritual muito mais.

Ok mente, tirarei isso da teoria e tentarei colocar na prática, agora vou descansar um pouco de pensar, afinal a vida continua, e os medos querendo ou não, também. 

                                       Quase um espelho, quase.
       Era fim de Outubro, ela já não sabia mais o que fazer pra melhorar aquilo que muitos chamavam de vida, era assim que Beatrice estava gastando os seus dias: pensando.
       Horas passavam, pensamentos iam e vinham na sua mente, e ela sempre na mesma. A ausência de sentimentos tomava conta dela, mas uma coisa ela sabia fazer muito bem: fingir. Acho que deveria ter ganhado um diploma da vida por ser boa atriz. E Assim ela escondia tudo que sentia, as pessoas achavam que estava sempre tudo bem com ela, que era a pessoa mais engraçada e feliz que esse mundo já viu, mal sabiam elas do vazio que ela sentia por dentro, vazio que não passava, vazio que muito a incomodava, vazio que aos pouco a matava. 
       Sua vida já não era a mesma de alguns anos atrás, ao longo de anos veio juntando decepções, das pessoas, dos seus amores, de seus amigos, da vida. Chegou a um ponto de solidão que até o som do vento se transformava em musica para os seus ouvidos, contava seus passos, observava como as pessoas agiam e sentia pena delas, correndo sempre contra o tempo, sempre na contramão, batendo umas de frente com as outras e acha isso lamentável.
       Beatrice era calada a maior parte do tempo, falava com algumas pessoas, mas sempre escondia o que realmente sentia, não tinha necessidade de compartilhar sua solidão com os outros. No fundo ela sabia que tudo ia melhorar, mesmo estando quase desacreditando. E assim continuava sua observação, tentando manter o controle sobre o cansaço mental que atormentava ela. Sem perceber se tornou fria, calculista, pensava duas vezes antes de agir.
       Isso foi a três anos atrás, hoje 16 de novembro com 22 anos de idade Beatrice foi achada morta na banheira de sua casa, pálida, com os pulsos cortados e caixas vazias de remédios do lado. Do lado encontrou uma carta que dizia: Durante muito tempo eu busquei perguntas e só mergulhei em mais perguntas ainda, sei que muitas delas não podem ser respondidas, mas minha sobrevivência dependia delas. A vida não faz mais sentindo pra mim há muito tempo, talvez seja um erro que eu esteja cometendo nesse momento, mas se Deus for mesmo tão misericordioso, ele vai entender que eu só precisava de um pouco de paz.

                                       Quase um espelho, quase.

       Era fim de Outubro, ela já não sabia mais o que fazer pra melhorar aquilo que muitos chamavam de vida, era assim que Beatrice estava gastando os seus dias: pensando.

       Horas passavam, pensamentos iam e vinham na sua mente, e ela sempre na mesma. A ausência de sentimentos tomava conta dela, mas uma coisa ela sabia fazer muito bem: fingir. Acho que deveria ter ganhado um diploma da vida por ser boa atriz. E Assim ela escondia tudo que sentia, as pessoas achavam que estava sempre tudo bem com ela, que era a pessoa mais engraçada e feliz que esse mundo já viu, mal sabiam elas do vazio que ela sentia por dentro, vazio que não passava, vazio que muito a incomodava, vazio que aos pouco a matava. 

       Sua vida já não era a mesma de alguns anos atrás, ao longo de anos veio juntando decepções, das pessoas, dos seus amores, de seus amigos, da vida. Chegou a um ponto de solidão que até o som do vento se transformava em musica para os seus ouvidos, contava seus passos, observava como as pessoas agiam e sentia pena delas, correndo sempre contra o tempo, sempre na contramão, batendo umas de frente com as outras e acha isso lamentável.

       Beatrice era calada a maior parte do tempo, falava com algumas pessoas, mas sempre escondia o que realmente sentia, não tinha necessidade de compartilhar sua solidão com os outros. No fundo ela sabia que tudo ia melhorar, mesmo estando quase desacreditando. E assim continuava sua observação, tentando manter o controle sobre o cansaço mental que atormentava ela. Sem perceber se tornou fria, calculista, pensava duas vezes antes de agir.

       Isso foi a três anos atrás, hoje 16 de novembro com 22 anos de idade Beatrice foi achada morta na banheira de sua casa, pálida, com os pulsos cortados e caixas vazias de remédios do lado. Do lado encontrou uma carta que dizia: Durante muito tempo eu busquei perguntas e só mergulhei em mais perguntas ainda, sei que muitas delas não podem ser respondidas, mas minha sobrevivência dependia delas. A vida não faz mais sentindo pra mim há muito tempo, talvez seja um erro que eu esteja cometendo nesse momento, mas se Deus for mesmo tão misericordioso, ele vai entender que eu só precisava de um pouco de paz.

Texto de um só parágrafo – Parágrafo de uma vida só.
Às vezes sinto uma necessidade de colocar tudo pra fora, mas não sou muito bom em falar o que eu sinto, parece que existe um bloqueio na comunicação oral, tenho quase certeza. E acontece que se você guarda sempre tudo pra você, você junta peso, lembranças, amarguras e decepções demais, e isso toma o seu tempo de uma forma que pode se tornar incontrolável. Te deixa triste, de mau humor e estressado. E eu sempre fui assim (na verdade ainda sou): uma mistura de sentimentos, bons e ruins. Só que tudo isso é como uma balança, e uma hora pesa mais de um lado do que o outro e me falam tanto em manter o controle de sentimentos. Mas ninguém me mostrou um botão pra ligar e desligar sensações, nem muito menos aprendi na escola alguma matéria chamada: Lidando com a dor e as alegrias. Entendi que posso perder pessoas por isso, por não saber, como posso explicar? Por não saber ser me conter, se estou alegre, estou alegre demais e se estou triste, estou triste demais, é assim 8 ou 80, não vou fingir felicidade estando triste, não é pra mim. E assim um belo dia eu resolvi pegar uma caneta e um papel, e comecei a tentar expulsar demônios de mim, esses sentimentos ruins e também tentar demonstrar minha felicidade, nem sempre é fácil, nem sempre consigo, mas é assim que consigo me deixar mais leve, escrevendo. E tem gente que diz que gosta do que escrevo, tem gente que diz que não sei escrever, mas ta aí uma coisa que eu queria perguntar: ainda não deu pra perceber que não sou escritor nem domino todas as regras da linguagem? Já disse que faço isso pra ficar mais leve, se alguém encaixa o que escrevo nos sentimentos dela é conseqüência. E tudo que eu preciso agora é um caderno novo, uma caneta nova, pra começar a escrever outra história, uma história de vida que ninguém jamais escreveu antes. 
_
Escrevo sobre tudo e no fim das contas acabo escrevendo sobre nada.

Texto de um só parágrafo – Parágrafo de uma vida só.

Às vezes sinto uma necessidade de colocar tudo pra fora, mas não sou muito bom em falar o que eu sinto, parece que existe um bloqueio na comunicação oral, tenho quase certeza. E acontece que se você guarda sempre tudo pra você, você junta peso, lembranças, amarguras e decepções demais, e isso toma o seu tempo de uma forma que pode se tornar incontrolável. Te deixa triste, de mau humor e estressado. E eu sempre fui assim (na verdade ainda sou): uma mistura de sentimentos, bons e ruins. Só que tudo isso é como uma balança, e uma hora pesa mais de um lado do que o outro e me falam tanto em manter o controle de sentimentos. Mas ninguém me mostrou um botão pra ligar e desligar sensações, nem muito menos aprendi na escola alguma matéria chamada: Lidando com a dor e as alegrias. Entendi que posso perder pessoas por isso, por não saber, como posso explicar? Por não saber ser me conter, se estou alegre, estou alegre demais e se estou triste, estou triste demais, é assim 8 ou 80, não vou fingir felicidade estando triste, não é pra mim. E assim um belo dia eu resolvi pegar uma caneta e um papel, e comecei a tentar expulsar demônios de mim, esses sentimentos ruins e também tentar demonstrar minha felicidade, nem sempre é fácil, nem sempre consigo, mas é assim que consigo me deixar mais leve, escrevendo. E tem gente que diz que gosta do que escrevo, tem gente que diz que não sei escrever, mas ta aí uma coisa que eu queria perguntar: ainda não deu pra perceber que não sou escritor nem domino todas as regras da linguagem? Já disse que faço isso pra ficar mais leve, se alguém encaixa o que escrevo nos sentimentos dela é conseqüência. E tudo que eu preciso agora é um caderno novo, uma caneta nova, pra começar a escrever outra história, uma história de vida que ninguém jamais escreveu antes. 

_

Escrevo sobre tudo e no fim das contas acabo escrevendo sobre nada.